Artigos

Uma dona de casa pode dar grandes lições econômicas ao governo federal

mulher1Há relatos de uma história em que brilhantes executivos de uma indústria de creme dental procuram alternativas de marketing para que os consumidores pudesse consumir mais pasta dental, porém, não encontravam solução. Mas de repente, uma senhora que fazia a limpeza do ambiente ouviu a conversa e sem hesitar disse: é simples. É só aumentar o diâmetro da boca do frasco, os consumidores, talvez, até sem querer acabarão consumindo mais creme ao apertar o frasco. Quem contou a história diz a referida senhora foi ovacionada e ganhou até uma promoção.
Quantas donas de casas não ganhariam também uma promoção se as suas vozes pudessem ser ouvidas pelo governo federal. Se pudessem ser ouvidas diriam que adiam sonhos o tempo todo; que quando há mais pessoas para comer colocam mais água no feijão; que em tempos de crise cortam na própria carne e estabelecem prioridades. Se uma residência possui duas linhas telefônicas fixas, uma é cancelada; Se há necessidade de se fazer o telhado e o piso de uma casa, o telhado passa a ter prioridade, enquanto o piso fica outro momento mais oportuno.
Sabe-se que hoje o Brasil possui 39 ministérios, dentre eles se fechasse em torno de 3, ninguém perceberia, exceto pela economia gerada. Em tempos de crise, a dona de casa estabelece prioridades: a saúde dos filhos, a alimentação e educação. Nesse mesmo tempo, o governo distribui milhões em emendas parlamentares e corta na carne de seus filhos, os trabalhadores.
A dona de casa acaba com pequenas mordomias desligando uma das duas televisões, diminui o tempo de banho das crianças e cancela as idas ao shopping com a família. O governo aumenta o endividamento público e busca ampliar sua arrecadação com mais impostos. A dona de casa não corta a ração da galinha, pois, é essa quem alimenta a família com saborosos ovos; o governo corta direitos dos trabalhadores, esses quem trabalham e geram riquezas ao país.
Uma dona de casa pensa em cada dinheirinho que vai receber e planeja cada conta a ser paga; o governo perde seu dinheirinho com a diminuição da arrecadação e esquece-se das contas que aumentam a cada dia. A dona de casa proibisse os membros da família de aumentarem seus gastos; o governo permite aos membros de sua família (congresso nacional), aumentarem seus proventos, inclusive, exigindo milhões em emendas para votarem nos projetos do governo.
Não há dúvidas. Uma dona de casa, por mais simples que seja pode dar grandes lições econômicas ao governo federal.